terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Greve de fogão!

Caros leitores [sei que vocês existem - kkkk].

Venho hoje declarar que estou em greve do fogão até que a Vilma volte a postar e, convido meus colegas Lucas e Kath a fazerem o mesmo!

Vou te contar...

Pedimos desculpas, mas defendo que temos que lutar pelo que acreditamos e eu acredito que o melhor pra ela e pra gente é que ela volte a postar ou o blog acaba.

#ProntoFalei!

Nem me venha de mimimi, pra mim é tudo ou nada (#Meda!).

Não aceito continuar sem ela!


domingo, 22 de janeiro de 2012

Mignon de porco com creme de ameixa e farofa de pão.


Olha eu aqui de novo. E hoje, me empolguei.




Mignon de porco:
Tínhamos uma peça de meio quilo de mignos de porco semi temperado na geladeira. Completei co tempero com o suco de um limão, um pouco de sal, 1 dente de alho e um punhado de alecrim.
E o toque de mestre [modéstia parte]: Em pequenos vãos feitos com uma faquinha, coloquei ameixas sem sementes cortadas pela metade, reguei com 1\3 de xícara de chá de azeite.
Ficou em forno baixo por cerca de 40 minutos com papel alumínio e mais 15 minutos ou até dourar sem o papel e pronto.

Farofa de pão:
Passei 2 pães do tipo francês duros pelo ralador.
Dica: se o pão que você tem em casa não estiver duro, basta deixá-lo no freezer por cerca de 10 minutos.

Numa panela com azeite fritei uma xícara de chá de bacon e calabresa picadinhos [1\2 xícara de cada] com 2 dentes de alho. Juntei uvas passas e azeitonas, o pão ralado e mexendo sempre esperei que dourasse, acrescentei um pouco de sal e 1\2 xícara de salsinha picada.
Fica muito bom, crocante, irresistível.

Creme de ameixas:
Passei uma xícara de ameixas secas sem caroço pelo processador, levei ao fogo numa leiteira com água suficiente para cobri-las. Depois de a água ferver e se incorporar na ameixa, leve-as ao processador novamente, volte tudo para a leiteira, acrescente uma colher de sopa de suco de limão, uma de açúcar e uma dose da cachaça. Espere ferver e pronto.
Dica: Essa calda pode acompanhar doces ou salgados, quente ou fria. No sorvete fica muuuuuito bom.

Acompanhamentos:
Servi com arroz branco, couve manteiga refogada com alho e azeite e purê de batatas, mas vou dizer que nem precisava... kkk


Quem ficou de fora sofreu com o cheirinho... kkk

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Mantecal da Juliana!


No quesito memória afetiva, esses biscoitinhos têm muito a dizer.

Eles foram o conforto de algumas tardes em que estávamos tristes e que passamos juntas e foi a gordice que completava momentos engraçados também.

Amo mantecal, mas chegar à casa da Juliana e encontrar uma lata inteira deles, feitos por ela e  esperando por mim, hummmmm. Amo ainda mais.
A partir de então, esses biscoitos ganharam um novo valor cognitivo, não dá pra pensar neles sem pensar nela e em tudo o que passamos juntas.

Valeu Jú! E eu quero mais... kkk

Essa é a Jú e o amor dela [talvez ela me mate].

Ela liberou a receita e as fotos eu roubei do álbum dela no facebook.

“anota aí lombriguenta” – palavras da própria – kkkk
1 kl de farinha de trigo,
meio kl de açúcar e
1 pacte de gordura vegetal hidrogenada
mistura tudo, a massa vira uma farofa, faz as bolinhas e coloca em assadeira sem untar, leva ao forno até ficar dourado.
Os: prepare-se para fazer bolinha até acabar a paciência, mas super vale a pena.
Ah! Claro que vale, também, colocar aquela tradicional gota de goiabada. 


Obtive informações de que a massa é esquisita mesmo...

Faça bolinhas até não aguentar mais, ai... continue fazendo - kkk

não eram gotas??? são cubinhos...
Quase lá...
Hummmm... era nessa lata mesmo!


O que é comida para se comer em casa?


 O post de hoje é um desabafo.
Mais que isso, é um protesto!



Agora me pus intrigada com a afirmação de que “isso não é comida para comer em casa!”
Então quais seriam os pratos a encaixar nesta categoria?
Pra mim, comida que se come em casa é aquela na qual emana sua vontade [de fazer, de comer, de servir].




Não existem regras, existem limitações, às vezes técnicas, financeiras, outras vezes a dificuldade é gerada pela falta de acesso a alguns ingredientes regionais ou exóticos, enfim...



Mas o triste é quando a limitação parte da simples idéia de que comida para se comer em casa não pode sair da básica combinação arroz branco, feijão e a quase insubstituível carne vermelha.
Acho que já provamos [inúmeras vezes] que o mais importante não é dinheiro, nem o tempo, mas sim criatividade e vontade de experimentar.

Dá pra fazer muita coisa com o que temos cotidianamente na despensa.
Permitir-se, pra mim, é a ordem que deveria reger nosso cotidiano.
Vida sem cor e sem sabor não é vida, é existência.

Já falamos do prazer em comer bem, numa mesa bonita e bem arrumada. É na preparação, na apresentação da mesa que se mostra o afeto dedicado à preparação do prato.
Para que guardar a melhor louça, a melhor toalha, o melhor vinho para a visita? Seja você, faça com que sua família seja a parcela mais importante de sua vida. Cative-se todos os dias, se mime, mime aos que você ama, ou, simplesmente dê-se o direito de sentir-se bem em sua mesa como sentir-se-ia num restaurante.
Básico e lindo!
Pra mim, a alimentação faz parte dos pequenos e indispensáveis prazeres da vida.
Recuso-me a arremessar uma fatia de carne vermelha numa panela com óleo porque alguém acha que isso é comida de todo dia. A mesma fatia de carne passada na manteiga ou num bom azeite e servida com lascas de alho é ainda o “santo bife,” mas com cara [aroma, sabor] de comida especial. Porque eu me considero especial, considero minha família especial. Você não?!
Um arroz [aquele de todo dia] cozido com o suco de duas laranjas e 8 pauzinhos de alecrim deixa de ser o mesmo arroz. Quanto gastei a mais? Quão maior foi a dificuldade?
Grande parte de nossas limitações residem no plano da inconsciência. E a escolha e só nossa. Passaremos a vida no “mais do mesmo” ou nos permitiremos outros sabores???

Questione-se! 
Fuja do óbvio!

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Chefs Mirins !


Como mostrou no programa 'TV Piá', Rebeca Faccini já se tornou chef mirim
Mini Chef Rebeca

As férias tem o seu lado bom e o lado ruim: o bom é que a gente fica livre de trabalhos, redações e etc. Mas o lado ruim ... aiai, a gente fica sem saber o que fazer, mas tem algumas crianças espertinhas que adoram cozinhar como nós e aproveitam para ampliar seus conhecimentos na cozinha. Algumas dessas crianças ganham até dinheiro dando cursos de culinária básica como : pão, mini pizza, milk shake e também ensinam as outras crianças a comer verduras, frutas e vegetais. E então o que acharam ?

Já que o papo está em Minas: PIADA DE PÃO DE QUEIJO.


 Um mineiro estava andando no deserto quando encontrou uma lâmpada.

Sabido das histórias, esfregou-a e, não é que apareceu um gênio?! Que foi logo dizendo:
- você tem direito a 3 pedidos.
Dai o mineiro pensou e disse:
-Eu quero um pão de queijo
O gênio deu o pão de queijo, o mineirinho comeu...
-Seu segundo pedido?
E o mineirinho:
-Quero outro pão de queijo
O gênio então lhe concedeu o desejo e lembrou:
-Você tem direito a mais um pedido
Desta vez o mineiro pensou e disse :
-Quero 2 bilhões de dólares...
O gênio entregando-lhe o dinheiro questionou:
-Por que você pediu primeiro 2 pães de queijo e depois 2 bilhões de dólares?
E o mineirinho respondeu:
-Ahhh! É porque fiquei com vergonha de pedir outro pão de queijo uai.


OBS: Não sou mineira, mas morro por um pão de queijo... kkk 

Ei! você aí de Minas (Gerais)...

Que tal um filme para degustar?! 


Para quem mora ou estará em Minas Gerais nos próximos dias: o Museu da Inconfidência em Ouro Preto apresenta, como parte da programação, filmes cujo mote é a alimentação.






O evento foi intitulado de "Um Lugar à mesa - Cinema e gastronomia: Filmes para degustar.


Vale a pena conferir.







O charme e os riscos das panelas de ágata!


Agora com a onda do “retrô” ou do “vintage” para os mais descolados, as panelas de ágata voltaram com toda força para a cozinha dos brasileiros.

No entanto, para além de seu charme, é preciso conhecer os pós e os contras deste tipo de utensílio.

A panela em ágata nacional surgiu como uma alternativa às caras e pesadas panelas de ferro de modelos importados (tipo: Le creuset – que são de morrer de lindas), no entanto, hoje, por uma questão de redução de custos, dificilmente encontraremos ágata em ferro, o mais comum é o alumínio mesmo.


A camada de esmalte que reveste o metal, além do charme, impede o desenvolvimento de bactérias que poderiam contaminar os alimentos, no entanto, há uma séria preocupação com relação à toxidade e durabilidade do esmalte.

Em pesquisas pela internet, descobri que “é desaconselhável o uso de utensílios fabricados antes de 1980: o esmalte usado na época pode conter elementos tóxicos como o chumbo, e os decalques na superfície interna, o cádmio, outro metal pesado. Seu uso já foi ligado à hipertensão, aterosclerose, disfunção pulmonar e infertilidade masculina.”#Chocada!
Pra quem não sabe, máquinas de lavar, fogões e louça de banheiro já foram feitas em ágata. 


Com as de produção recentes o risco de intoxicação por chumbo foi [em tese] anulado, mas ainda há o risco de intoxicação pelo alumínio. A principal dica é: SE DESCASCAR POR DENTRO, DESCARTE! [transforme em vaso]. 




O uso contínuo, quando levada sempre ao fogo, fará com que hora ou outra a tinta trinque, fique de olho! Outra conseqüência do constante aquecimento é o escurecimento do esmalte, para desacelerar esse processo, basta passar álcool em sua superfície depois de limpa.
Quanto mais grossa a panela, mas ela resistirá [as Le creuset são quase eternas e não oferecem risco de contaminação algum – vale o investimento].


É recomendável, para os modelos mais simples, o preparo apenas de itens leves e rápidos, como molhos.

Para limpar, não use produtos abrasivos.
É preciso lembrar que, todo metal oferece o risco de intoxicação e que, todos os tipos de panelas oferecem pós e contras que precisam ser analisados antes da decisão pela compra.
Então, não é preciso se assustar, o nosso objetivo com este post é mostrar a melhor maneira de usar este tipo de material, que é um charme.




Agora, pra quem também acha [vou dizer de novo] um charme, mas quer evitar os supostos problemas e dificuldades a dica é esquecer as panelas e investir em bules, chaleiras, xícaras, canecas, travessas e outros utensílios que não precisam ser levados direto ao fogo e que, por isso, vão durar anos sem o risco do esmalte trincar e provocar qualquer tipo de intoxicação.

Pode-se também, apostar nas peças como objetos de decoração...
(Momento: Oinnnnnnnmmmmm!)




Eu já garanti meu jogo com bule, leiteira, açucareiros (tenho 2 que nunca viram açúcar, uso para servir pastinhas, antepastos, etc)... claro que lá em casa, cada peça tem uma cor.


Fica a dica! 

domingo, 15 de janeiro de 2012

Cozinheiros de primeira viagem

Cozinhar não é difícil mas prá quem se acha incapaz de se aventurar a pilotar um fogão, ficam aqui algumas dicas:
http://tempodemulher.com.br/artigos.asp?CP=TDM&cod=1915&PG=TM_W23&TI=Regras%20b%C3%A1sicas%20para%20cozinhar

Apoio para talheres...


Da série: Não dá mais pra ficar sem.

"Gentemmmm"... Olha o que a Vilma me deu!
Apoio para talheres.
É brigadeiro! 

Ótimo pra poupar a bagunça na cozinha e para que a gente não esqueça o talher fritando dentro da panela.

Recomendo. 

Nhoque gratinado...


Sempre, sempre, sempre com mil coisas pra fazer = PRESSA!


Mas nem por isso vamos deixar de comer bem, não é?!
Comer fora às vezes dá mais trabalho. Escolher a roupa, o lugar, achar vaga no estacionamento, escolher o prato, esperar...

Às vezes cozinhar é mais prático, sobretudo se há ajuda dos pratos pronto [ou semi].

Hoje o escolhido foi o nhoque. Comprei um pacote pronto no mercado e...
Depois de passá-lo ma água fervente, acomodei as bolinhas em assadeiras para porção individuais, cobri com molho de tomate refogado com alho e azeite, sal e salsinha, joguei cubinhos de carne vermelha refogados [também com alho, azeite e sal] e polvilhei 3 queijos ralados grosso [mussarela, provolone e minas meia cura] e orégano, levei ao forno para gratinar e SUCESSO GARANTIDO!

COBERTURA DE MARIA MOLE...


Essa receita foi mole mesmo.



Bati uma massa de bolo de coco [é! De caixinha], mas pra quem não curte, basta preparar um bolo branco simples.

  Enquanto o bolo assava, coloquei a Maria Mole pra bater, conforme instrução da caixinha. Enquanto Maria batia, preparei um brigadeiro mole.
Depois foi só montar num refratário [que pode ser o mesmo no qual o bolo assou].
Divida o bolo em dois, umedeça com cerca de 8 colheres de sopa de leite. Despeje o brigadeiro, tampe com a outra metade do bolo. Cubra com a Maria mole, polvilhe com coco ralado.

 Leve ao freezer por 15 minutinhos e está pronto pra servir.
Depois não volte ao freezer, mantenha na geladeira.


Dá pra montar o bolo direto num prato, mas eu, como reconheço o quanto sou desastrada, prefiro montar no refratário, ao menos por enquanto, porque se o bolo quebrar, rachar, esfarelar, dá pra remontar no refratário e fica como se nada errado tivesse acontecido.
Fica a dica!

Rabanada

A história do famoso pão do Natal!

http://www.estadao.com.br/noticias/suplementos%20paladar,os-melhores-de-tudo-,4744,0.htm

sábado, 14 de janeiro de 2012

Mais milk-shake

Parece que todo mundo resolveu falar dele hoje:
http://comida.ig.com.br/bebidas/aprenda-a-fazer-o-classico-milkshake/n1597572998441.html

Pão de Mel

E a novidade para 2012 do blog é: background novo a cada novo post!

Calma lá, vamos prometer algo que daremos conta de cumprir, background novo a cada nova receita que valha a pena, ou seja, todas as dicas que aparecem aqui!!!

Que eu adoro cozinhar isso não é novidade mas devo reconhecer que preparo doces com muito mais empolgação do que qualquer outra coisa e a primeira invencionisse do ano foi: pão de mel em forma de bolo!

Acreditem se quiser, fiz isso em meia hora e passava das 22:00 quando fui prá cozinha. Literalmente aproveitei o que de melhor tinha no armário e deu super certo!



A receita da massa eu já tinha a quase um ano, o pulo do gato foi juntar com o doce de leite mineiro que comprei essa semana de um vendedor muito insistente que passou pelo meu trabalho com a lata de creme de leite estrategicamente esquecida na geladeira e as 2 barras de chocolate, uma ao leite e outra meio amargo que estavam no armário.

Milk-Shake

http://www.estadao.com.br/noticias/arteelazer,sao-paulo-tem-milk-shakes-de-todos-os-tipos-conheca-os-melhores,822276,0.htm


O único dessa lista que eu já provei é o do Rockets e é mesmo muito bom!!!

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Cupcake Salgado?!



Todo mundo na onda do cupcake e eu ia ficar de fora?!
Nem eu queria e nem a sócia ia deixar.

Como ela me presenteou com uma forma para os bolinhos era missão de honra experimentar.

Olha! A receita é tão fácil, tão fácil que até o Lucas [meu irmão caçula], que só chega perto do fogão pra fazer macarrão instantâneo, resolveu fazer os dele.
http://cozinhaecultura.blogspot.com/2011/11/mais-cupcakes-de-chocolate.html


Fiz, decorei, comei, distribui mas... ainda não estava bom. Precisava fazer algo diferente e digno de vir para o blog. Afinal, a receita do cupcake já estava por aqui.



RESOLVI ENTÃO TESTAR UMA RECEITA SALGADA. E genteeeeeeeeeee!
Deu certo.




Da receita que recebi da Vilma, substitui a 1 xícara de chá de açúcar e ½ de chocolate em pó pelo recheio salgado.
Adivinhem! Calabresa.... que por sinal, foi a Vilma que levou lá pra casa.
Coloquei então, ½ xícara de chá de calabresa com queijo [que pode ser ralado].
Depois deles pronto, cobri com requeijão e queijo prato ralado no ralador de legumes...
Ficou bom heimmmm.



Eu misturei o recheio com a massa, mas vale reservá-lo, misturar uma pitada de sal e uma colher de queijo ralado na massa e colocar nas forminhas uma colher de sopa de massa, uma de recheio, outra de massa por cima e salpicar queijo ralado ou orégano. Bom também!





Recapitulando:
1 e ½ xícara de farinha de trigo;
1 ovo;
½ xícara de chá de óleo
½  xícara de chá de leite
1 e ½ xícara de chá de recheio
1 colher de café de fermento químico.
Mistura tudo, preenche as forminhas, leve ao forno em temperatura média e já foi!