terça-feira, 29 de maio de 2012

Quiche de Quatro Queijos

ou do que você quiser! Essa receita testada num tempo atrás quando esse blog sequer era uma possibilidade...

MASSA

200gr de margarina (ou 10 colheres de sopa prá quem assim como eu não tem uma balança)
2 colheres de sopa de leite
1 ovo
1 gema
250gr de farinha de trigo

*Não eu não fiquei louca, é isso mesmo um ovo + 1 gema

Misture todos os ingredientes e deixe a massa descansar na geladeira por 1 hora. Acondicione na forma e leve ao forno para pré assar por cerca de 15 minutos.

RECHEIO

100 gr de queijo musssarela
100 gr de queijo prato
100 gr de queijo parmesão
100 gr de queijo provolone

Rale os queijos, misture e disponha sobre a massa.

COBERTURA

1/2 xícara de leite
1 caixa de creme de leite
2 ovos
Pimenta do reino a gosto

Misture todos os ingredientes, disponha sobre o recheio e leve ao forno até que os queijos derretam.

A massa é bem versáril, então varie o quanto você quiser! Quando fiz a receita pela da 2.ª vez recheei com calabresa com queijo.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Pão Caseiro


Ficaram bonitos né? Além de bonitos, ficaram ótimos!!!

 A receita é essa aqui: http://tudogostoso.uol.com.br/receita/105067-pao-recheado.html incrivelmente fácil mas quando eu me aventurei a testar... joguei o pão inteiro no lixo. Outra experiência mal sucedida de Vilma Campos no ramo da panificação.

Agora, não é porque eu não tenho colocado a mão na massa que eu não tenha teorizado a respeito... li muito até que chegasse nessas dicas: http://entretenimento.r7.com/receitas-e-dietas/noticias/especialistas-ensinam-o-que-fazer-para-o-pao-caseiro-crescer-20110127.html mas pensando bem acho melhor sacramentar: pão de mel em troca de pão caseiro!

Molho rose com tomate seco.




Antes que alguém diga “lá vem a fresca!”, aviso logo que dá pra fazer com tomate fresco bem maduro ou molho de tomate, mas, como tinha tomate seco rolando na geladeira, resolvi testar. Deu certo.
É simples e pode acompanhar qualquer tipo de carne e, se feito em maiores proporções, pode ser servido com massas.
Lá vai...
Ingredientes:
1 colher de sopa rasa de de farinha de trigo
1 colher de sopa de manteiga
200ml de leite (usei desnatado)
1 dente de alho picado
3 fatias de tomate seco trituradas
1 colher de sopa de creme de leite (usei ligth)
1 colher de sopa de suco de limão
1 colher de sopa de molho de mostarda
1 colher de sopa de catchup
Sal e pimenta do reino a gosto.

Modo de preparo
Dissolva a farinha no leite.
Numa panela, frite o alho na manteiga. Acrescente o leite com farinha e mexa até começar a engrossar. Desligue, junte todos os outros ingredientes um a um mexendo levemente. Acerte o sal.
Ligue o fogo bem baixo e mexendo desligue quando estiver quente novamente.
Obs:
Se for fazer com molho de tomates, é só trocar o tomate seco por 3 colheres de sopa de molho.
Se for fazer com tomates frescos, escolha um de bom tamanho, bem maduro, retire pele e semente, triture e é isso.
Aqui o molho acompanhou filé de peixe grelhado,  arroz com ovos e legumes e alface.
Por falar em arroz com ovos e legumes, está aí uma ótima dica para quem está de dieta, como eu, e precisa diminuir o consumo de arroz. Substituir metade do arroz por outros ingredientes (no meu caso, os que o médico sugeriu) é uma excelente dica.




domingo, 27 de maio de 2012

Macarrão

Poucas cozinhas do mundo podem orgulhar-se do fato de serem tão populares quanto à italiana. Se nos propusermos a contar a história da humanidade sentados à mesa, italianos com certeza figurarão e com destaque.
O que hoje se conhece por nhoque, por exemplo, já era feito antes de Cristo. Na Idade Média, as massas revelavam o status social de seus apreciadores. As massas frescas e recheadas estavam presentes nas mesas dos ricos enquanto as secas e planas eram encontradas nas mesas dos menos favorecidos. Estamos falando, portanto, de um alimento revolucionário porque era um prato ao alcance de todos #baixouahistoriadora.
É só com a grande migração de italianos para as Américas no final do século XIX que incorporamos à nossa culinária suas receitas, seus hábitos à mesa e sua devoção ao prazer do bem comer.
Curiosidade: Não existiam padarias na cidade de São Paulo até a chegada dos primeiros italianos. No lugar do pão, comia-se algo semelhante a uma broa e feita de farinha de milho. O pão feito com farinha de trigo que a gente come todo dia só se populariza no século XX!!!
Mas voltando ao assunto, quando pensamos em comida italiana à primeira coisa que nos vem à mente invariavelmente é massa e seja você italiano, descendente de italiano ou não, domingo é o dia de se comer macarrão!!!


Poucas coisas no vasto universo da culinária são tão versáteis quanto ele. Dá prá comer quente, frio, como entrada, prato principal ou sobremesa (isso já é assunto prá outro post). Nós mesmos já apresentamos várias receitas de macarrão e com certeza já o preparamos de várias outras formas.
http://cozinhaecultura.blogspot.com.br/2012/02/macarrao-ao-pizzailo.html







Mas prá quem pensa que macarrão é tudo igual e só muda o formato, não é bem assim não...
1.       DO QUE É FEITO O MACARRÃO?
O macarrão comum, aquele presente no armário de todo mundo, é feito de farinha de trigo e água. O de sêmola é feito com trigo nobre tipo I (em geral um produto mais caro) e o com ovos tem adição de 3 ovos por kg de farinha. A embalagem geralmente indica qual é o macarrão que você está comendo.
2.       GRANO DURO E INTEGRAL?
 macarrão tipo grano duro é feito com trigo durum e a grande diferença é que ele fica al dente, ou seja, bem soltinho. Já o integral é feito com farinha integral e fibras, portanto, mais saudável.
3.       COM VEGETAIS
Macarrão com vegetais??? É, é isso mesmo!!! Em geral são utilizados beterraba, espinafre e cenoura e você não sabe de que macarrão estamos falando... são aqueles coloridinhos!!!
4.       CASEIRO
O macarrão do tipo caseiro ou aquele que é feito em casa mesmo em geral é mais macio e por isso, absorve mais molho #meupreferido.

A MASSA E O MOLHO
Cada corte de massa pede um tipo de molho e isso faz toda a diferença na hora de comer, não é chatice da minha parte. Para o talharim use molhos mais concentrados, como o bolonhesa. Cabelo de anjo é ótimo para sopas (olha eu de novo na cozinha árabe hahahaha). Espaguete já combina com molhos líquidos (que envolvam bem os fios) como ao sugo, alho e óleo, molho de carne e shoyu com vegetais. Fettucine, ravióli, capeletti, penne e parafuso combinam com molhos mais fortes e condimentados (bolonhesa e pesto) ou cremosos (de queijo e rosé).
 Já para gravatinha, parafuso e conchinha use com molhos de carne e de vegetais ou sirva frio como salada, de preferência com molho de iogurte.

E como hoje é domingo: Bon Apetit!

sábado, 26 de maio de 2012

Quiche Du Peru




A pessoa aqui curte um livro, se for de receitas então... Na minha pequena coleção tem de clássicos a coletânea de receitas de liquidificador vendidas no trêm passando por aqueles promocionais do tipo 'compre uma lata de molho de tomate e ganhe um livro de receitas'.
Quando eu pego um livro de receitas, leio como romance, da 1.ª à última página e ainda que pareça loucura, isso me ajuda muito na hora de ir prá cozinha.


Foi assim que cheguei à receita dessa torta.

Os ingredientes listados abaixo rendem uma quiche para 2 pessoas, lembrem-se eu moro sozinha! Se o seu eleitorado for grande, é só ir aumentando tudo respeitando as proporções.

MASSA

1 xícara de farinha de trigo
1/2 embalagem de creme de cebola em pó
5 colheres de sopa de margarina
1 gema

Em uma vasilha misture todos os ingredientes. Arrume a massa num refratário deixando-a com cerca de 1cm de espessura.


RECHEIO

100 gr de queijo minas frescal triturado
100 gr de peito de peru triturado
1 colher de café de orégano
3 colheres de sopa de leite
1 copo de requeijão cremoso (220ml)
3 fatias de mussarela ralada

Junte todos os ingredientes e despeje sobre a massa. Polvilhe por cima a mussarela e leve ao forno por 30 minutos em temperatura média ou até que ela esteja dourada



#dicasimportantes
1. Eu usei um refratário muito grande levando em consideração o tamanho da minha quiche, por isso, ela ficou bem fininha. Quanto mais fina fica a massa, mais ela esfarela (o que é natural em se tratando de massas de quiche) mas a questão é, se ela estiver muito fina na hora em que você vai tirar do refratário ela desmonta. Foi só na 3.ª fatia é que consegui que ela saísse inteirinha...

2. O creme de cebola em pó dá um sabor bem marcante à massa por isso nada de colocar coisas muito condimentadas ou carregadas de sal como bacon ou calabresa no recheio, vai ficar difícil comer!

Creme de Chocolate

6 colheres de sopa de margarina sem sal
3 colheres de sopa de açúcar
4 colheres de sopa de chocolate em pó
3 colheres de sopa de achocolatado
1 colher de café de essência de baunilha
1 lata de creme de leite sem soro

Reserve o creme de leite e bata todos os outros ingredientes na batedeira. Quando o creme estiver homogêneo acrescente a 1 lata de creme de leite sem soro e bata só mais um pouquinho...

O creme é bem versártil:

Perfeito para rechear e cobrir cupcakes!
Nesse aí eu usei só achocolatado (7 colheres) e coloquei 2 colheres de café de essência de bainulha porque fiz com margarina com sal.
Dá uma ótima sobremesa...
Sem tempo prá algo mais sofisticado? Prepare o creme, pique umas frutas, se tiver disponível, rale um tablete de chocolate para decorar e faça a linha phina!!!
E uma cobertura de bolo melhor ainda!
Ok, ok! Reconheço que a foto não está boa mas isso foi em 2006, eu ainda não usava comida prá seduzir as pessoas.. #AhãClaudia

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Mastering Art of French Cooking

Falando ainda em Julia Child... minha cozinha merece um desses!!!



http://www.livrariasaraiva.com.br/produto/572020/mastering-the-art-of-french-cooking/ #asminapira

Mignon a Bourguignon


E se alguém quiser assim como Julie Powell se aventurar, está aqui a receita!
http://tudogostoso.uol.com.br/receita/14446-mignon-a-bourguignon.html

Julie & Julia

Dica de cinema... cinema não né, vídeo locadora hahaha



O filme me foi indicado por um amigo queridíssimo, meu bixo Danilo. Nos encontramos algum tempo depois da criação do blog ele me disse que tinha visto o filme e tinha achado, a minha cara...

Essa conversa rolou em Assis há quase um ano. Cheguei em Tupã de volta e a primeira coisa que fiz foi comprar o filme... #CHOQUEIQUANDOASSISTI.

O filme não tinha só a ver comigo porque contava a história de duas mulheres que gostavam de cozinhar, uma delas inclusive registrava suas experiências culinárias num blog, mas de mulheres que gostavam de cozinhar e eran transgressoras, determinadas e persistentes.

Evelyn, Kath, Lucas e eu somos assim e este blog está recheado de provas disso. Melhor dizendo este blog é a maior prova de que cozinhamos em nome de algo maior!
O filme está percorrendo a sociedade e eu não queria escrever a resenha até que todos tivessem visto... ele não chegou ainda na Kath mas resolvi descumprir o acordo porque, coincidentemente, recebi essa semana uma receita de filet mignon a bourguignon, o prato mais difícil das 524 receitas do livro de Julia Child, no filme vivida por Maryl Streep, que Julie (Amy Adams) se propõe a preparar...

Terremoto afeta produção de queijo no norte da Itália



http://www1.folha.uol.com.br/turismo/1094195-terremoto-afeta-producao-de-queijo-no-norte-da-italia.shtml

Prepare sopas funcionais indicadas por nutricionistas


http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/1091435-prepare-sopas-funcionais-indicadas-por-nutricionistas.shtml

E antes que alguém pergunte, ué mas você começou a tomar sopa??? Nãããão, é que achei essa sopa de beterraba com iogrute e especiarias a cara da Evelyn!!!

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Torta Vegana de proteína de soja, escarola e aveia.


Me aventurando na cozinha vegana...
De repente vira um novo ícone no blog. Um dia chego lá!


  Vamos lá:

Preparando o recheio...
O primeiro passo é hidratar a proteína de soja. Uma xícara de proteína fina de molho em água por 20 minutinhos.
Escorra, dê uma espremida para liberar o excesso de água e refogue como azeite, cebola, alho, tomate, azeitonas, tempeirinhos ou como preferir.

Refogue também meio maço de escarola (já tinha pronto do almoço de ontem – kkk) e misture à proteína já pronta.


Preparando a massa...
       Essa a parte interessantes. Sem ovos e sem leite.
            Coloque numa tigela 2 xícaras de chá de farinha de trigo (vale colocar metade de farinha integral)., 1\2 xícara de chá de óleo, 1\2 xícara de leite de soja ou água fria, 1 colher de sobremesa de açúcar e uma colher de café de sal (também coloquei orégano).
            Misture tudo até formar uma massa homogênea (fica líquida mesmo) e acrescente uma colher de sopa de aveia em flocos e uma colher de café de fermento e mexa até incorporar.
OBS. A aveia não pode ser batida na primeira etapa da massa para não comprometer a textura e para garantir que a torta fique levemente crocante.

Montagem:
Numa forma de furo no meio untada e enfarinhada coloque metade da massa, o recheio, a outra metade da massa. Polvilhe um pouco da aveia por cima e leve para assar em forno médio até que a superfície fique dourada e, espetando um palito ele saia seco.



Fica bemmm saborosa e a textura é bem legal. Recomendo.


terça-feira, 22 de maio de 2012

Buquê de Noiva – Couve Flor gratinada.


Esse prato não é o que se pode chamar de diet, mas há tempos estou devendo está receita e, para agradar o eleitorado vale a fuga da rotina... kkk


Parece que não, mas é muuuuuuito simples.

A primeira medida é lavar bem a couve flor e deixá-la de molho em água com vinagre por cerca de 15 minutos.


Depois, numa panela em que seja suficiente para cobrir a couve de água com sal, cozinhe-a até que esteja bem macia (cuidado para não deixar que fique mole demais).

Enquanto isso pique os queijos que tiver disponível (aqui tínhamos mussarela, queijo prato, provolone, gorgonzola, catupiry® e ricota defumada.

Depois de cozida, acomode a couve flor num refratário.  Entre os buquês vá socando (com cuidado para não quebrar) cubos de queijo (nesta etapa coloquei só queijo prato e a ricota defumada).




Prepare o molho branco:
1 colher de sopa de manteiga
2 colheres de sopa de farinha de trigo
350ml de leite
Sal e noz moscada a gosto.

Frite a cebola na manteiga.
Dissolva a farinha no leite. Junte à cebola já dourada e vá mexendo até que engrosse ao ponto de molho. Desligue e acrescente os demais queijos (nesta etapa coloquei provolone, gorgonzola e catupiry®). Mexa até que os queijos se incorporem ao molho, acrescente noz moscada e acerte o sal.
Despeje sobre a couve e  polvilhe mussarela ralada. 


Leve ao forno até dourar e é isso...


 

Pseudo risoto de frango e tomate seco...


O difícil na vida é agradar a gregos e troianos, mas para tudo dá-se um jeito.
O drama do dia é: Adoro risoto mas, o Jeff (maridão) AINDA não curte arroz cremoso.
O jeito é fazer um risoto de faz-de-conta... kkk




Esse é bastante simples, fiz com arroz agulhinha mesmo (arroz de todo dia).

Refoguei 3 filés de frango cortados em cubinhos em azeite e alho, dourado o frango, acrescentei 1 xícara de chá de arroz agulhinha e uma colher de café de sal. Coloque água suficiente para cozinhar o arroz (como faz de costume ou como orienta a embalagem do arroz). Enquanto cozinha, pique os outros ingredientes. Até que dê uma xícara de chá cheia, pique azeitonas [coloquei da verde e da preta], tomate seco (em 3 ou 4 partes é suficiente) e acrescente algumas alcaparras em conserva (poucas, porque o trem é bem salgado).
Após ter sumido metade da água na panela do arroz, acrescente os outros ingredientes, mexa bem, acerte no sal. Tampe a panela e espere a água toma sumir.

É isso!

Como gosto do risoto cremoso, coloquei já no prato, o creme da receita que vem acima (Buquê de noiva - couve flor gratinada)... Resolvido o problema.


Para ficar ainda pior, vale acrescentar batata palha.

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Pavê de brigadeiro do preguiçoso


Ou apressado, porque as vezes a gente se organiza, mas algo acaba dando errado no caminho - kkkk

Essa é daquelas receitas para quando você precisa improvisar a sobremesa de última hora com o que tem em casa. E é tão fácil que até criança faz.

Desculpem pela foto, não ficou boa, pois eu não pretendia postar. Fiz o pavê escondido da Vilma. 

O pavê fica bem doce, por conta do chocolate branco. Por isso a receita dos brigadeiros é feita com esse creme básico para pavê (com amido de milho, ovo e leite), se fosse só com leite condensado nem formiga ia aguentar... kkk

Se você tem o paladar infantil (como é o meu caso), vai curtir a receita.

Em 10 minutos está pronta e mais o tempo de gelar antes de servir.

Para uma travessa pequena (o que significa metade da receita original)...

Ingredientes:
1 pacote de bolacha – usei maisena mesmo
1 lata de leite condensado
1 gema
½ litro de leite
2 colheres de sopa de amido de milho
50g de chocolate branco [usei 2 barrinhas de Laka de 25g cada]
50g de chocolate ao leite [usei 2 colheres de sopa cheias de achocolatado].

Preparo:
Dissolva o amido no leite, misture a gema e o leite condensado e leve ao fogo. Mexa até ficar em ponto de mingau. Tire do fogo.
Divida o creme em dois. Numa metade junte o chocolate branco, mexa bem até dissolver.
Na outra repita o processo com o chocolate preto.


Montagem:
Quebre a bolacha maisena. Distribua metade no refratário, jogue o creme branco por cima. Sobre o creme acomode a outra metade da bolacha, depois o creme de chocolate preto e finalize com granulado ou raspas de chocolate.
Se for usar a bolacha champanhe deixe inteira mesmo e umedeça em leite (ou rum... hummmm).

domingo, 20 de maio de 2012

Rocambole de Doce de Leite

ou, o doce da discórdia

Poucas receitas foram tão esperadas por aqui como essa e se eu estivesse aceitando encomendas, já teria uma pequena fila formada no portão do meu prédio.

Quinta-feira, perto do horário do almoço e subitamente eu senti vontade incontrolável de comer um doce... a questão é que não podia ser qualquer doce, tinha que ser um daqueles que são doces a ponto de enjoar sabe?

Depois de muito procurar de que sabor eu estava sentindo falta, me lembrei de um famigerado rocambole de doce de leite, de que muito ouvi falar no meu trabalho mas que eu sequer vi a cor...

PRONTO! Era a oportunidade perfeita prá testar as habilidades culinárias com um prato inédito, nunca tinha feito rocambole, prá usar o pote de doce de leite que havia sido comprado para rechear um pão de mel - minha receita recorde de execuções em 2012 - que acabou não sendo feito e eu ainda mataria a minha vontade de comer doce...

Comprei a forma própria prá rocambole na hora do almoço e preparei antes mesmo do jantar.
 Acreditem, é super fácil de fazer e fica muito bom, quem me xingou depois de ver a foto no facebook na quinta-feira à noite o fez com toda razão...




Comece batendo 06 claras em neve. Depois acrescente uma a uma, 06 gemas.


Sem parar de bater acrescente 06 colheres de sopa de açúcar (uma a uma) e 06 colheres de sopa de farinha de trigo.


Coloque sobre a forma uma folha de papel manteiga e unte a folha com margarina. Despeje sobre ela a massa e leve ao forno em temperatura média (180ºC) por 25 min ou até que você enfie um palito e ele saia seco.


Desenforme a massa sobre um pano de prato polvilhado com açúcar e retire o papel manteiga com a massa ainda quente.


Espalhe sobre a massa 300gr de doce de leite e com a ajuda do pano, enrole o rocambole. Deixe o rocambole descansando enroladinho no pano de prato. Quando ele esfriar, retire o pano, polvilhe açúcar de confeiteiro e sirva!