terça-feira, 16 de outubro de 2012

O que comer na 25 de Março

Eu passei anos da minha vida dizendo que não era possível comer algo digno na 25 de março (rua de comercio popular do centro de São Paulo). É bem verdade que 99,9% das pessoas quando chega lá deixa de sentir fome, sede, frio e outras necessidades de natureza fisiológica porque escolher o que comprar e negociar o quanto pagar por aquela infinidade de opções consome muito da nossa energia.

Agora, caso você seja o tipo de pessoa que não se deixa hipnotizar pelo lugar ou que em algum momento do dia precisa parar o que estiver fazendo para comer (este é o meu caso), vá até o Raful http://www.raful.com.br/. um dentre os inúmeros restaurantes de comida árabe da região mas que oferece além de dignidade para comer, uma comida muito bonita, saborosíssima e bem barata. Meu almoço hoje ficou por menos de R$10,00 e saí de lá super satisfeita!

O almoço ainda me rendeu essa descoberta: molho de gergelim! Gostei tanto que entrei no mercadinho árabe que fica duas lojas prá lá ou prá cá do restaurante e comprei um... tá que eu vou usar prá temperar o quibe da Sadia mas, estamos em tempo de globalização kkkkkk

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

O que se come quando a gente VIAJA!

Comer enquanto se está viajando é diferente de comer em casa mesmo que a gente não fuja em nada da dieta. O tempo da refeição é outro, o espaço é outro e o sabor, ah esse nem se fala!

Estive em Curitiba semana passada. Além de visitar uma amiga querida que eu não via há um tempão e conhecer de perto todos os cartões postais que eu só conhecia pela TV, não perdi a chance conhecer o Paraná, na mesa!

O trecho é curto, reconheço mas em 50 minutos e levando em consideração que era hora do almoço oferecer isso e duas balinhas aos passageiros é mancada hein TAM???
Já na volta eu passei um pouquinho melhor, o lanchinho foi um sanduíche quente de pão de leite, cream cheese, presunto, mussarela e tomate! Generosidade? Nããããão, eu embarquei numa conexão, o vôo vinha de mais longe então a galera devia estar com muita fome hahaha


Ao chegar em Curitiba, o choque!!! Como pode um lugar tão bonito, tão organizado, tão isso e tão aquilo e o se derreter por... banana!?! Aceito sob o argumento de que aquele lugar tinha que ter algum defeito e como não achei outro, fico com esse!
Em São Paulo é comum você encontrar pelas rodovias estabelecimentos como Rancho da Pamonha, Cantinho da Pamonha e afins onde eles vendem até a sua mãe com cobertura de milho verde. Pois bem, os do Paraná tem a fachada coberta por pencas e mais pencas de banana, verdes, maduras, de cabeça para baixo, em formato de coisas e etc!

Encontrei esses chips sabor banana em váááários lugares e eles me perseguiram tanto que comprei um prá minha mãe e um para o Lucas e ainda não sei se é bom porque nenhum dos 2 provou!


Apresentação é tudo nessa vida não é minha gente?  No dia da viagem destinado ao city tout parei prá almoçar na Ópera de Arame. A a idéia era fazer uma refeição rápida prá matar a fome e continuar o passeio sem ficar conversando com a comida. Pedi um misto quente, com uma porção de batata frita e uma limonada suíça e vejam só que prato lindo que eu recebi!!!







Imersão na cultura local a gente também faz na mesa e eu não sosseguei enquanto não achei um lugar onde pudesse provar o típico prato parananese. Precisei ir até Morretes, uma cidade que fica a pouco mais de 70 km de Curitiba, prá provar um barreado tradicional e posso dizer que só não comi mais porque não dei conta...

O barreado é um prato típico do litoral paranaense. Conta-se que na época do entrudo, hoje Carnaval, eram preparadas panelas e mais de barreado para que os foliões comessem algo que lhes desse energia suficiente para aguentar os 3 dias de folia.
Além de ser um prato 'de sustância' ele pode ser requentado várias vezes sem perder o sabor original.






O prato é servido assim: você coloca um pouco de farinha de mandioca no fundo do prato e a carne sem o molho por cima. Mistura até que vire uma massinha e o truque prá saber se ela está no ponto certo é ao virar o prato ela não cair.
Depois disso você rega a massinha com o molho da carne, coloca o arroz e a banana à milanesa que eu dispensei, óbvio!

Essa era a refeição completa!

Deixei de lado as entradas e boa parte da salada prá me concentrar no sabor do barreado e eu comi hein...





O preparo do prato é muito simples - sim, eu consegui uma receita -. Você coloca todos os ingredientes numa panela alta, coloca bastante água e veda a panela com uma massa feita de farinha de mandioca, farinha de trigo e água morna e cozinha em fogo baixo. Depois de 06 horas de fervura você desliga o fogo mas só abre a panela depois que a carne esfriar. Caso alguns pedaços de carne ainda estejam inteiros, desmanche-os com um soquete de feijão antes de servir.

Se alguém quiser se aventurar: 5kg de carne cortada em cubos (peito, lombo, paleta ou músculo), 500gr de bacon, 5 cebolas grandes picadas, 3 cabeças médias de alho, folhas de louro, 1 pitada de cominho em pó, 1 pitada de pimenta do reino, 1 pitada de pimenta vermelha e sal a gosto. As quantidades listadas servem 10 pessoas.