sábado, 30 de maio de 2015

Uma velha receita e um novo hábito!

A vida é assim, num dia está tudo bem e no outro nem tanto e aqui estou, aos 33 anos de vida (66 de consumo de batata e muitos brigadeiros de panela no currículo) com a taxa de glicose na corrente sanguínea acima do permitido em 7 mg/dL. Entrei em estado de ALERTA porque eu tenho todos os fatores de risco para desenvolver diabetes e aí não existe mágica, tenho que me disciplinar e fazer o possível para reduzir o índice de glicose em pelo menos 10 mg/dL.

Pessoas com diabetes vivem e levam uma vida tão atribulada e cheia de emoções quanto a minha mas a forma como o seu metabolismo se comporta lhes impõem uma série de restrições. É possível conviver com elas!?! Absolutamente sim mas antes que eu tenha que fazer controle glicêmico com o uso de medicamentos, achei melhor adotar o conselho do meu médico: não mude sua vida, mude seus hábitos!

Muito se sabe sobre alimentação saudável e hoje ela está longe de ser definida como comida sem graça e sem sabor. A oferta de ingredientes também aumentou e existe hoje um mercado consolidado de comércio de ingredientes/alimentos saudáveis (todo mundo sabe onde fica a loja do Mundo Verde mais próxima de casa ou do trabalho). 

Diante de todos esses fatores, não dar ouvidos à recomendação do médico ou fingir que nada mudou era assumir a negligência com algo que me é tão caro, a saúde. É por ela e prá mim e não para o medico, para a nutricionista ou para comprar uma roupa um número menor que eu aceitei fazer dieta (em partes a dieta prescrita pela nutricionista e em partes aquilo que se aproxima dos meus hábitos alimentares anteriores, fazendo as adaptações possíveis para tornar o resultado palatável).

E é com o meu bolo preferido que vou dar início à fase de testes das minhas receitas com novos ingredientes. 



A primeira substituição foi trocar o açúcar branco por açúcar mascavo, na mesma proporção que está na receita.

Assim como acontece com quase todos os alimentos integrais, em termos de calorias, o açúcar mascavo não apresenta uma vantagem muito grande em comparação ao refinado. Entretanto, em termos de saúde ele ganha em disparado. O açúcar mascavo possui mais nutrientes, vitaminas e minerais, além de fibras, proteínas, cálcio, fósforo, ferro, potássio, magnésio e outras propriedades benéficas.

Se eu fosse seguir à risca a orientação da nutricionista, sai açúcar branco e NÃO ENTRA AÇÚCAR NENHUM mas por questões que eu não teria condições de explanar aqui no que diz respeito às orientações que ela me passou, no lugar do açúcar refinado entrarão, sempre que a escolha do ingrediente for possível, adoçante e açúcar mascavo.

A segunda substituição foi trocar a farinha de trigo por farinha de trigo integral:

A farinha branca é um ingrediente pobre em nutrientes e de alto índice glicêmico. Tem ação semelhante ao açúcar no organismo, aumentando a taxa de glicose no sangue e, por isso, o consumo em excesso está associado ao aumento de triglicérides e incidência de diabetes, obesidade e doenças crônicas. Por ser digerido rapidamente, o alimento não provoca a sensação de saciedade e, assim como açúcar, pode causar compulsão alimentar. Com a mesma rapidez com que o açúcar se eleva no sangue e aumenta os níveis de serotonina, hormônio ligado a sensação de bem estar, ele também baixa, podendo gerar em um curto período de tempo, uma necessidade de consumir mais do alimento.

Comparada à farinha de trigo comum, a farinha de trigo integral possui quatro vezes mais fibras e tem maior concentração de potássio, magnésio e zinco. 

Nossa relação com o alimento é em grande parte cultural. Comemos aquilo que aprendemos a comer e da forma como aprendemos a comer. Nem a minha nem a vó de muitos de nós usava farinha integral prá fazer bolo e mesmo sabendo que isso é plenamente possível, a gente se vê achando que está fazendo algo de errado.

De novo, como estamos falando de testes e como a primeira coisa que risquei dessa dieta foi radicalismos troquei apenas metade da quantidade de farinha indicada na receita pela farinha integral, o restante eu coloquei farinha branca mesmo e a proporção não é de 1 para 1 como no caso do açúcar use 3/4 de xícara de farinha de trigo integral para substituir 1 xícara de farinha branca. 

E quanto ao resultado...



O bolo assou no mesmo tempo e ficou com a mesma aparência de um bolo comum (e com o tempo eu espero internalizar o conceito de que essas receitas são tão comuns quanto as outras). A coloração dele mudou por conta do açúcar mas a consistência é a mesma. Eu #confesso que comi o bolo procurando algo de diferente. Fica diferente? sim, tão diferente quanto pão de forma integral comparado à pão de farinha branca, ou seja, continua sendo bolo da mesma forma.



O bolo ficou baixinho porque eu fiz meia receita e numa forma em que a massa estivesse bem acomodada (era um teste e supondo que ele não desse certo, também não dava prá desperdiçar um monte de ingredientes) e da próxima vez, já dá prá fazer a receita inteira!!!





Nenhum comentário: